segunda-feira

Tênis ou frescobol... qual o seu jogo nos relacionamentos?



Dialogar nem sempre é uma tarefa fácil, já que cada um acha que esta com a verdade e o desafio seria convencer e/ou vencer o outro ou o oponente (?).

É como se fizéssemos um jogo de tênis onde trabalhamos no erro do outro e, a melhor estratégia é induzi-lo ao erro. Nesse sentido escutamos, efetivamente, muito pouco, pois, enquanto o outro está falando, nós estamos articulando a replica e, freqüentemente, não o deixamos concluir o que pretendia dizer.

Já deu para perceber que “isto” pode ter qualquer nome, menos diálogo, não acha?

O diálogo real estaria mais para um jogo de frescobol – de praia – quando o objetivo é não deixar a bola cair, daí nos esmerarmos em mandar a bola mais redonda possível, para contribuir para o acerto do outro e assim construir o jogo. Logo, a construção da jogada é um ato de cooperação objetivando a construção do jogo.

É o mesmo no diálogo, um trabalho conjunto de busca da verdade, de construção do conhecimento e do entendimento.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter para acompanhar as nossas atualizações

Share/Save/Bookmark

3 comentários:

Pedro De Conti disse...

boo!

Na próxima terça-feira, dia 17 de março, vamos fazer uma balada pro lançamento do Sistema de Publicidade boo-box e você está na nossa lista de convidados :)

Teremos atrações maneiríssimas divididas nos dois ambientes da balada: light graffiti, Guitar Hero, batalha de iPods. Leve seu iPod lotado de munição dançante!

Além da batalha de iPods o som da festa será comandado por um DJ bastante conhecido no Twitter.

O evento será terça-feira, dia 17 de março, na região da av Paulista (metrô Consolação), às 21h, sua presença é importante!

Pode, por favor, confirmar sua presença até o fim do dia de hoje?

Obrigado :)

JAMES PIZARRO disse...

Já leste o texto do Rubem Alves sobre isso ? Eu postei no meu blog e dei-lhe o crédito da autoria.
Abraço

JP

PauloAthayde disse...

Olá James!

Não conheço este texto do Ruben Alves.
A idéia para o artigo, não me lembro bem onde ou com quem a encontrei, mas, com certeza, não fazia qualquer referência a autoria.
Como vê, o meu “post”, deve ter em comum com o dele apenas a idéia. Presumo.

Obrigado pela visita e comentário.

Um abraço.